Conheça a Usina de Itaipu

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Imperativamente falando, sugiro que conheça a Usina Hidrelétrica de Itaipu (Foz do Iguaçu - Paraná). Esta Usina pode ser resumida em apenas uma palavra: Colossal.

Hoje (26/09/2007) fiz uma visita técnica - diferente da visita convencional - e confesso que fiquei surpreso. Considero Foz do Iguaçu uma cidade limpa, mas dentro do território da Usina é impecável. Tudo, absolutamente tudo, está no seu devido lugar, limpo e bem cuidado.

Chegamos na Usina e fomos direto para a sala de recepção de visitantes. Logo fomos recepcionados por um guia que nos deu as primeiras instruções - fez o mesmo com os alemães, argentinos, japoneses, ... que estavam lá. Fizemos uma visita dentro do Parque Tecnológico da Itaipu (PTI) na parte da manhã, conhecemos os projetos e atividades que são realizados. Minha impressão? Itaipu é praticamente um país independente!

Após o almoço fomos conhecer a Usina propriamente dita. Iniciamos o passeio com um vídeo sobre a Usina. Terminado o vídeo embarcamos em um ônibus que nos leva por toda a Usina. Sim, ônibus! Como falei, tudo lá é muito grande! A não ser que você queira andar 8Km a pé, sugiro que pegue um ônibus! Os funcionários, para se deslocarem de um local para outro, vão de carro ou bicicleta! Nossa primeira parada foi no Mirante Principal.


Mirante Principal
Mirante Principal
Visão do Mirante
Visão do Mirante
Visão do Mirante
Visão do Mirante

Saindo do mirante, fomos até os dutos por onde passa a água que vai até as turbinas para gerar energia. Lá recebemos fones de ouvido para que pudéssemos ouvir as instruções que são passadas pelo guia. O barulho da água passando pelos dutos é muito grande, principalmente no interior da Usina, por isso, todo passeio é feito com fones de ouvido.

Dutos
Dutos
Dutos
Dutos

Saindo da área dos dutos, vamos para o interior da Usina, onde a energia é realmente gerada. As proporções são inimagináveis. Conhecemos a Sala de Controle Central, de onde todas as turbinas são monitoradas e de onde é possível ligar ou desligar todas elas, ou seja, deixar 25% do Brasil ou 95% do Paraguai sem luz! Na foto abaixo, o lado esquerdo é o lado do Brasil, e o lado direito do Paraguai. Mesmo com essas divisões, os dois países trabalham juntos. Todos os funcionários da Itaipu são divididos meio a meio, 50% brasileiros e 50% paraguaios, que tem participação por igual nas decisões da Usina.

Sala Principal de Controle
Sala Principal de Controle
Lado esquerdo Paraguai, direito Brasil
Lado esquerdo Paraguai, lado direito Brasil

Após a visita a sala principal, descemos - por elevadores - até a sala onde ficam as turbinas girando para gerar energia.

Uma turbina, para chegar a Itaipu, move milhares de pessoas. Policiais, Copel, caminhões gigantescos com centenas de rodas. A proporção das turbinas são gigantescas, cada uma pesando mais de 1.000 toneladas.

Turbina em Funcionamento
Turbina em Funcionamento
Turbina Girando
Turbina Girando

Após isso, saímos para ver a dimensão do Rio Paraná, represado pela Usina de Itaipu.

Dimensão do rio antes da barragem
Dimensão do rio antes da barragem

Sobre a Usina

A Usina Itaipu Binacional (Brasil e Paraguai) é a maior hidrelétrica do mundo em geração de energia, a maior em potência instalada do mundo, gerando 14.000 Mw. Será superada apenas pela hidrelétrica de Três Gargantas, na China. Está localizada na fronteira entre Brasil e Paraguai.

Google Maps Usina de Itaipu
Google Maps da Usina

A construção da Usina é resultado de negociações entre o Brasil e o Paraguai, iniciadas ainda na década de 60, que culminaram, em 26 de abril de 1973, com a assinatura do Tratado de Itaipu, instrumento legal para o aproveitamento do potencial hidráulico do Rio Paraná. Em maio de 1974 foi criada a empresa binacional Itaipu, para construir e, posteriormente, gerenciar a Usina.

Números

  • Mais de 40 mil operários trabalharam na construção da Usina
  • Itaipu começou a gerar energia em maio de 1984
  • Potência instalada de 14.000 Megawatts
  • 20 unidades geradoras (dutos com turbinas) de 700 Mw cada

  • Uma unidade é capaz de atender ao consumo de energia de uma cidade de 1,8 milhão de habitantes, como Curitiba

0 comentários: